Scroll to navigation

dpkg-source(1) dpkg suite dpkg-source(1)

NOME

dpkg-source - ferramenta de manipulação de pacotes fonte Debian (.dsc)

SINOPSE

dpkg-source [option...] command

DESCRIÇÃO

dpkg-source empacote e desempacota arquivos de fonte Debian.

Nenhum destes comandos permite que várias acções sejam combinadas em uma, e eles não permitem que o valor para uma opção seja especificado num argumento separado.

COMANDOS

Extrai o pacote fonte (--extract desde dpkg 1.17.14). Tem de ser fornecido um argumento não-opção, o nome do ficheiro de controle de fonte Debian (.dsc). Opcionalmente pode ser fornecido um segundo argumento não-opção para especificar o directório para onde extrair o pacote fonte, e este não pode existir. Se não for especificado o directório de saída, o pacote fonte é extraído para um directório chamado source-version sob o directório de trabalho actual.

O dpkg-source irá ler os nomes dos outros ficheiros que fazem o pacote fonte a partir do ficheiro de controle; assume-se que eles estejam no mesmo directório que o .dsc.

Os ficheiros no pacote extraído irão ter as suas permissões e propriedades definidas para aquelas que seriam as esperadas caso os ficheiros e directórios tivessem simplesmente sido criados - os directórios e ficheiros executáveis irão ficar com 0777 e ficheiros simples irão ficar com 0666, ambos modificados pelo umask do extractor; se o directório pai está com setgid então os directórios extraídos estarão também, e todos os ficheiros e directórios irão herdar a propriedade do seu grupo.

Se o pacote fonte usar um formato não-standard (actualmente isto significa todos os formatos excepto “1.0”), o seu nome será armazenado em debian/source/format para que as compilações seguintes do pacote fonte usem o mesmo formato por predefinição.

Compila um pacote fonte (--build desde dpkg 1.17.14). O primeiro argumento não-opção é tomado como o nome do directório que contém a árvore fonte debianizada (isto é, com um sub-directório debian e talvez alterações aos ficheiro originais). Dependendo do formato do pacote fonte usado para compilar o pacote, podem ser aceites parâmetros adicionais.

dpkg-source irá compilado o pacote fonte com o primeiro formato encontrado nesta lista por esta ordem: o formato indicado com a opção de linha de comando --format, o formato indicado em debian/source/format, “1.0”. O cair para “1.0” está descontinuado e será removido em algum ponto no futuro, você deve sempre documentar o formato de fonte desejado em debian/source/format.Veja a secção SOURCE PACKAGE FORMATS para uma descrição extensiva dos vários formatos de pacote fonte.

Escreve o formato de fonte que será usado para compilar o pacote fonte se foi chamado dpkg-source -b directory (nas mesmas condições e com os mesmos parâmetros; desde dpkg 1.15.5).
Corre o hook correspondente do formato de pacote fonte (desde dpkg 1.15.8). Este hook é chamado antes de qualquer compilação do pacote (dpkg-buildpackage chama-o muito cedo ainda antes de debian/rules clean). Este comando é idempotente e pode ser chamado várias vezes. Nem todos os formatos fonte implementam alguma coisa neste hook, e os que o fazem geralmente preparam a árvore fonte para a compilação, por exemplo ao assegurarem que as patches Debian são aplicadas.
Corre o hook correspondente do formato de pacote fonte (desde dpkg 1.15.8). Este hook é chamado após qualquer compilação do pacote (dpkg-buildpackage chama-o no em último). Este comando é idempotente e pode ser chamado várias vezes. Nem todos os formatos fonte implementam alguma coisa neste hook, e os que o fazem geralmente usam-no para desfazer o que o --before-build fez.
Grava alterações na árvore fonte desempacotada em directory (desde dpkg 1.16.1). Este comando pode levar parâmetros suplementares dependendo do formato de fonte. Irá terminar em erro para formatos onde este operador não signifique nada.
-?, --help
Mostra a mensagem de utilização e termina. O formato específico de compilação e opções de extração podem ser mostrados ao usar a opção --format.
Mostra a versão e termina.

OPÇÕES

Opções de compilação genéricas

Especifica o ficheiro de controle fonte principal de onde ler informação. A predefinição é debian/control. Se fornecido com nome de caminho relativo isso é interpretado como começado a partir do directório de nível de topo da árvore fonte.
Especifica o ficheiro changelog de onde ler informação. A predefinição é debian/changelog. Se fornecido com nome de caminho relativo isso é interpretado como começado a partir do directório de nível de topo da árvore fonte.
Especifica o formato do registo de alterações. Veja dpkg-parsechangelog(1) para informação acerca dos formatos alternativos.
Usa o formato fornecido para compilar o pacote fonte (desde dpkg 1.14.17). Sobrepõe-se a qualquer formato dado em debian/source/format.
Define uma variável de substituição de saída. Veja deb-substvars(5) para uma discussão sobre substituição da saída.
Lê variáveis de substituição em substvars-file; a predefinição é não ler nenhum ficheiro. Esta opção pode usada várias vezes para ler variáveis de substituição a partir de múltiplos ficheiros (desde 1.15.6).
Sobrepõe ou adiciona um campo de ficheiro de controle de resultado.
Remove um campo de ficheiro de controle de resultado.
Especifica a compressão a usar para os ficheiros tarball e diff criados (--compression desde dpkg 1.15.5). Note que esta opção não irá fazer com que tarballs existentes sejam re-comprimidos, apenas afecta os novos ficheiros. Valores suportados são: gzip, bzip2, lzma e xz. A predefinição é xz para formatos 2.0 e mais recentes, e gzip para o formato 1.0. xz é apenas suportado desde dpkg 1.15.5.
Nível de compressão a usar (--compression-level desde dpkg 1.15.5). Tal como -Z irá apenas afectar ficheiros recentemente criados. Valores suportados são: 1 até 9, best, e fast. A predefinição é 9 para gzip e bzip2, 6 para xz e lzma.
Você pode especificar uma expressão regular perl para coincidir aos ficheiros que deseja filtrar e retirar da lista de ficheiros para o diff (--diff-ignore desde dpkg 1.15.6). (Esta lista é gerada por um comando de procura (find)) (Se o pacote fonte está a ser compilado como um pacote fonte de versão 3 usando um VCS, isto pode ser usado para ignorar alterações não cometidas em ficheiros específicos . Usar -i.* irá ignorar todos eles.)

A opção -i por si só activa esta definição com uma regex predefinida (preservando qualquer modificação ao regex predefinido feito por uma utilização anterior de --extend-diff-ignore) que irá filtrar fora ficheiros de controle e directórios dos sistemas de controlo de revisão mais comuns, salvaguardas e ficheiros swap, e directórios de resultados de compilação de Libtool. Só pode existir um regex activo, das várias opções -i apenas a última irá ter efeito.

Isto é uma grande ajuda para cortar ficheiros alheios que foram incluídos no diff, ex, se você mantêm a sua fonte num sistema de controle de revisão e deseja usar um checkout para compilar um pacote fonte sem incluir os ficheiros adicionais e os directórios que geralmente contém (ex. CVS/, .cvsignore, .svn/). O regex predefinido já é bastante exaustivo, mas se precisar de o substituir, por favor note que por predefinição ele consegue corresponder a qualquer parte de um caminho, portanto se você quer corresponder ao inicio de um nome de ficheiro, ou apenas nomes completos de ficheiros, precisa ser você próprio a fornecer as âncoras necessárias (ex, ‘(^|/)’, ‘($|/)’).

A expressão regular perl especificada irá estender o valor predefinido usado por --diff-ignore e o seu valor actual, se definido (desde dpkg 1.15.6). Faz isto ao concatenar “|regex” ao valor existente. Esta opção é conveniente de usar em debian/source/options para excluir alguns ficheiros -auto-gerados da geração de patch automática.
Se esta opção for especificada, o padrão será passado à opção --exclude do tar(1) quando este é chamado para gerar um ficheiro .orig.tar ou .tar (--tar-ignore desde dpkg 1.15.6). Por exemplo, -ICVS irá fazer o tar saltar os directórios CVS ao gerar um ficheiro .tar.gz. A opção pode ser repetida várias vezes para listar vários padrões de exclusão.

-I por si próprio adiciona opções --exclude predefinidas que irão filtrar ficheiros de controle e directórios dos sistemas de controlo de revisão mais comuns, ol systems, salvaguarda e permutar ficheiros e directórios de saída de compilação de Libtool.

Nota: Apesar de terem objectivos semelhantes, -i e -I têm muitas diferenças na sintaxe e semântica. -i só pode ser especificado uma vez e e recebe uma expressão regular compatível com perl que é correspondida ao caminho relativo completo de cada ficheiro. -I pode se especificado várias vezes e recebe um padrão de nome de ficheiro com wildcards de shell. O padrão é aplicado ao caminho relativo completo mas também a cada parte do caminho individualmente. A semântica exacta da opção --exclude do tar é um tanto complicada, veja <https://www.gnu.org/software/tar/manual/tar.html#wildcards> para a documentação completa.

A regex e padrões predefinidos para ambas opções podem ser vistos no resultado do comando --help.

Opções de extração genéricas

Não copia os tarballs originais perto do pacote fonte extraído (desde dpkg 1.14.17).
Não verifica assinaturas nem sumários de verificação antes de desempacotar desde dpkg 1.14.17).
Não sobrepõe o directório de extração se este já existir (desde dpkg 1.18.8).
Recusa-se a desempacotar um pacote fonte se este não conter uma assinatura OpenPGP que possa ser verificada (desde dpkg 1.15.0) seja com o chaveiro trustedkeys.gpg do utilizador, com um chaveiro específico do fornecedor, ou um dos chaveiros oficiais Debian (/usr/share/keyrings/debian-keyring.gpg, /usr/share/keyrings/debian-nonupload.gpg e /usr/share/keyrings/debian-maintainers.gpg).
Recusa-se a desempacotar p pacote fonte se este não conter nenhuns checksums fortes (desde 1.18.7). Actualmente o único checksum conhecido considerado forte é SHA-256.
Torna a verificação de versão má de pacote fonte num aviso não-fatal (desde dpkg 1.17.7). Esta opção só deve ser necessária quando se extrai pacotes fonte anciãos com versões quebradas, apenas para compatibilidade com versões antigas.

FORMATOS DE PACOTE FONTE

Se você não sabe que formato de fonte usar, deve provavelmente escolher entre “3.0 (quilt)” ou “3.0 (native)”. Veja <https://wiki.debian.org/Projects/DebSrc3.0> para informação sobre o desenvolvimento desses formatos em Debian.

Formato: 1.0

Um pacote fonte neste formato consiste ou de um .orig.tar.gz associado a um .diff.gz ou de um único .tar.gz (nesse caso diz-se que o pacote é nativo). Opcionalmente o tarball origina pode estar acompanhado de uma assinatura separada do autor .orig.tar.gz.asc, extração suportada desde dpkg 1.18.5.

Extracting

Extrair um pacote nativo é uma simples extração do único tarball no directório alvo. Extrair um pacote não-nativo é feito ao primeiro desempacotar o .orig.tar.gz e depois aplicar a patch contida no ficheiro .diff.gz. O carimbo temporal de todos os ficheiros que receberam patch é reposto à hora de extração do pacote fonte (isto evita confusões com carimbos temporais que levam a problemas quando se aplicam patch a ficheiros auto-gerados). O diff pode criar novos ficheiros (todo o directório debian é criado deste modo) mas não pode remover ficheiros (ficheiros vazios serão deixados) e não pode criar ou modificar links simbólicos.

Building

Compilar um pacote nativo é apenas criar um único tarball com o directório fonte. Compilar um pacote não-nativo involve extrair o tarball original num directório “.orig” separado e regenerar o .diff.gz ao comparar o directory do pacote fonte com o directório .orig.

Build options (with --build):

Se um segundo argumento não-opção for fornecido este deve ser o nome do directório fonte original ou ficheiro tar ou uma string vazia se o pacote é um específico de Debian, e assim não tem diffs de debianização. Se não for fornecido um segundo argumento, então dpkg-source irá procurar o ficheiro tar fonte original package_upstream-version.orig.tar.gz ou o directório fonte original directory.orig dependendo dos argumentos -sX.

-sa, -sp, -sk, -su e -sr não irão sobrescrever ficheiros tar ou directórios existentes. Se isto for desejado então devem antes ser usados -sA, -sP, -sK, -sU e -sR.

Especifica que se espera a fonte original como um ficheiro tar, por predefinição package_upstream-version.orig.tar.extension. irá deixar a fonte original no lugar como um ficheiro tar, ou irá copia-la para o directório actual se não estiver já lá. O tarball será desempacotado em directory.orig para a geração do diff.
Tal como -sk mas irá remover o directório outra vez depois.
Especifica que a fonte original é esperada como um directório, por predefinição pacote-versão-do-autor.orig e dpkg-source irá criar um novo arquivo de fonte original a partir dele.
Como -su mas irá remover esse directório após ter sido usado.
Especifica que a fonte original está disponível tanto como directório e como um ficheiro tar. dpkg-source irá usar o directório para criar o diff, mas o ficheiro tar para criar o .dsc. Esta opção tem de ser usada com cuidado, Se o directório e o ficheiro tar não corresponderem, será gerado um arquivo de má fonte.
Especifica para não procurar por nenhuma fonte original, e não gerar um diff. O segundo argumento, se fornecido, deve ser a string vazia. Isto é usado para pacotes específicos-Debian que não têm uma fonte de autor separada e por isso não têm diffs de debianizaçao.
Especifica para procurar pelo arquivo fonte original como um ficheiro tar ou como um directório - o segundo argumento, se existir, pode ser um de, ou a string vazia (isto é equivalente a usar <-sn>). Se for encontrado um ficheiro tar irá desempacota-lo para criar o diff e remove-lo depois (isto é equivalente a -sp); Se for encontrado um directório irá empacota-lo para criar a fonte original e remove-lo depois (isto é o equivalente a -sr); Se nenhum for encontrado irá assumir que o pacote não tem diffs de debianização, é apenas um arquivo fonte directo (isto é o equivalente a -sn). Se ambos forem encontrados então o dpkg-source irá ignorar o directório, sobrescrevendo-o, se for especificado -sA (isto é o equivalente a -sP) ou elevar um erro se for especificado -sa. -sa é a predefinição.
O processo falha se o diff gerado conter diferenças de ficheiros fora do sub-directório debian (desde dpkg 1.15.8). Esta opção não é permitida em debian/source/options mas pode ser usada em debian/source/local-options.

Opções de extracção (com --extract):

Em todos os casos qualquer árvore de fonte original existente será removida.

Usado ao extrair depois a fonte original (se alguma) será deixada como um ficheiro tar. Se não estiver já localizada no directório actual ou se um ficheiro existente mas diferente estiver lá será copiado para lá. (Isto é a predefinição).
Desempacota a árvore fonte original.
Assegura que a árvore original nem é copiada para o directório actual nem desempacotada. Qualquer árvore de fonte original que esteja no directório actual é ainda removida.

Todas as opções -sX são mutuamente exclusivas. Se você especificar mais do que uma, apenas será usada a última.

Salta a aplicação do diff debian no topo das fontes do autor (desde dpkg 1.15.1).

Formato: 2.0

Extração suportada desde dpkg 1.13.9, compilação suportada desde dpkg 1.14.8. Também conhecido como wig&pen. Este formato não é recomendado para utilização em massa, o formato "3.0 (quilt)" substitui este. Wig&pen foi a primeira especificação de um formato de pacote fonte da nova geração.

O comportamento deste formato é o mesmo que o do formato "3.0 (quilt)" com a excepção de que não usa uma lista de patches explicita. Todos os ficheiros em debian/patches/ que correspondem à expressão regular perl [\w-]+ têm de ser patches válidas: elas são aplicadas durante a extração.

Quando se constrói um novo pacote fonte, qualquer alteração na fonte do autor é armazenada numa patch chamada zz_debian-diff-auto.

Formato: 3.0 (nativo)

Suportado desde dpkg 1.14.17. Este formato é uma extensão do formato de pacote nativo como definido no formato 1.0. Suporta todos os métodos de compressão e irá ignorar por predefinição quaisquer ficheiros específicos de VCS e directórios também assim como muitos ficheiros temporários (veja valor predefinido associado à opção -I no resultado de --help).

Formato: 3.0 (quilt)

Suportado desde dpkg 1.14.17. Um pacote fonte neste formato contém pelo menos um tarball original (.orig.tar.ext onde ext pode ser gz, bz2, lzma e xz) e um tarball debian (.debian.tar.ext). Também pode conter tarballs originais adicionais (.orig-component.tar.ext). component pode apenas conter caracteres alfanuméricos (‘a-zA-Z0-9’) e hífens (‘-’). Opcionalmente cada tarball original pode ser acompanhado por uma assinatura em separado do autor (.orig.tar.ext.asc e .orig-component.tar.ext.asc), extração suportada desde dpkg 1.17.20, compilação suportada desde dpkg 1.18.5.

Extracting

O tarball original principal é extraído primeiro, depois todos os tarballs originais adicionais são extraídos em sub-directórios nomeados após a parte component do seu nome de ficheiro (qualquer directório pré-existente é substituído). O tarball debian é extraído no topo do directório fonte após a pré remoção de qualquer directório debian pré-existente mas pode também conter ficheiros binários fora desse directório (veja a opção --include-binaries).

Todas as patches listadas em debian/patches/vendor.series ou debian/patches/series são então aplicadas, onde vendor será o nome em minúsculas do fornecedor actual, ou debian se não existir um fornecedor definido. Se o ficheiro anterior for usado e o posterior não existir (ou for um link simbólico), então o posterior é substituído por um link simbólico para o antigo. Isto destina-se a simplificar a utilização de quilt para gerir o conjunto de patches. Ficheiros de séries especificas-de-fornecedor destinam-se a tornar possível a criação de séries de múltiplos ramos de desenvolvimento baseados no fornecedor, num modo declarativo, dando preferência a codificação-aberta deste manuseamento em debian/rules. Isto é particularmente útil quando a fonte precisa de receber uma patch condicionalmente porque os ficheiros afectados não possuem suporte a oclusão condicional embutido. Note no entanto que enquanto dpkg-source analisa correctamente ficheiros de séries com opções explícitas usadas para aplicar patch a aplicação (armazenada em cada linha antes do nome de ficheiro de patch e um ou mais espaços), ele ignora essas opções e espera sempre que as patches possam ser aplicadas com a opção -p1 ou patch. Irá portanto emitir um aviso quando encontra tais opções, e é provável que a compilação falhe.

Note que lintian(1) irá emitir avisos incondicionais quando usa séries de fornecedor devido a regulamento controverso específico de Debian, o qual não deve afectar nenhuma utilização externa; para silenciar isto, o perfil lintian do dpkg pode ser usado ao passar «--profile dpkg» a lintian(1).

O carimbo temporal de todos os ficheiros com patch é reposto para a hora da extração do pacote fonte (isto evita inclinações do carimbo temporal que levam a problemas quando aplica patch a ficheiros auto-gerados).

Contrariamente ao comportamento predefinido de quilt, espera-se que as patches sejam aplicadas sem confusões. Quando esse não é o caso, você deve refrescar tais patches com quilt, ou dpkg-source irá terminar em erro ao tentar aplicá-las.

Semelhante ao comportamento predefinido de quilt. as patches também podem remover ficheiros.

O ficheiro .pc/applied-patches é criado se algumas patches foram aplicadas durante a extracção.

Building

Todos os tarballs originais encontrados no directório actual são extraídos num directório temporário seguindo a mesma lógica que para o desempacotar, o directório debian é copiado sobre o directório temporário, e todas as são aplicadas, excepto a patch automática (debian-changes-version ou debian-changes, dependendo de --single-debian-patch). O directório temporário é comparado com o directório do pacote fonte. Quando o diff é não-vazio, a compilação falha a menos que tenham sido usados --single-debian-patch ou --auto-commit, que neste caso o diff é guardado na patch automática. Se a patch automática for criada/apagada, é adicionada/removida do ficheiro de séries e dos meta-dados quilt.

Qualquer alteração num ficheiro binário não é representável num diff e irá assim levar a uma falha a menos que o maintainer tenha decidido deliberadamente incluir esse ficheiro binário modificado no tarball debian (ao lista-lo em debian/source/include-binaries). A compilação irá também falhar se encontrar ficheiros binários no sub-directório debian a menos que estes tenham sido autorizados através de debian/source/include-binaries.

O directório debian actualizado e a lista de binários modificados são então usados para gerar o tarball debian.

O diff gerado automaticamente não inclui alterações em ficheiros específicos de VCS assim como em muitos ficheiro temporários (veja valor predefinido associado à opção -i no resultado de --help). Em particular, o directório .pc usado por quilt é ignorado durante a geração da patch automática.

Nota: dpkg-source --before-build (e --build) irão assegurar que todas as patches listadas no ficheiro series são aplicadas para que uma compilação do pacote tenha sempre todas as patches aplicadas. Faz isto ao encontrar patches não aplicadas (elas estão listadas no ficheiro series mas não em .pc/applied-patches), e se a primeira patch nesse conjunto puder ser aplicada sem erros, irá aplica-las todas. A opção --no-preparation pode ser usada para desactivar este comportamento.

Gravar alterações

Gera uma patch correspondente às alterações locais que não são geridas pelo sistema de patch quilt e integra-a no sistema de patch sob o nome patch-name. se o nome está em falta, será perguntado interactivamente. Se patch-file for fornecido, é usado como uma patch correspondente às alterações locais a integrar. Uma vez integrada, é lançado um editor para que você possa editar a meta-informação no cabeçalho da patch.

Passar patch-file é principalmente útil após uma falha de compilação que pré-gerou este ficheiro, e por esse motivo o ficheiro fornecido é removido após integração. Note também que as alterações contidas no ficheiro patch têm de já estar aplicadas na árvore e que os ficheiros modificados pela patch não podem ter alterações suplementares por gravar.

Se a geração da patch detectar ficheiros binários modificados, eles serão adicionados automaticamente a debian/source/include-binaries para que eles acabem no tarbal debian (exactamente como dpkg-source --include-binaries --build faria).

Opções de compilação

Permite a dpkg-source compilar o pacote fonte se a versão dos meta-dados quilt for uma especificada, mesmo se dpkg-source não souber disso (desde dpkg 1.15.5.4). Efectivamente isto diz que a versão dada dos meta-dados quilt é compatível com a versão 2 que o dpkg-source presentemente suporta. A versão dos meta-dados quilt é guardada em .pc/.version.
Não ignora os ficheiros removidos e inclui-os na patch gerada automaticamente.
Inclui o carimbo data/hora na patch gerada automaticamente.
Adiciona todos os binários modificados ao tarball debian. Também os adiciona a debian/source/include-binaries: eles serão adicionados por predefinição em compilações subsequentes e esta opção é assim não mais necessária.
Não tenta preparar a árvore de compilação ao não aplicar as patches que aparentemente ainda não foram aplicadas (desde dpkg 1.14.18).
Usa debian/patches/debian-changes em vez de debian/patches/debian-changes-version para o nome da patch automática gerada durante a compilação (desde dpkg 1.15.5.4). Esta opção é particularmente útil quando o pacote é mantido num VCS e um conjunto de patch não pode ser gerado com confiança. Em vez disso o diff actual com o original deve ser guardado numa patch única. A opção seria posta em debian/source/local-options e deveria ser acompanhada por um ficheiro debian/source/local-patch-header explicando como as alterações Debian poderão ser melhor revistas, por exemplo no VCS que é usado.
Cria automaticamente o principal tarball original como vazio se está em falta e se existirem tarballs suplementares originais (desde dpkg 1.15.6). Esta opção destina-se a ser usada quando o pacote fonte é apenas um bolo de múltiplos softwares originais e não há nenhum software “main”.
Por predefinição, dpkg-source irá automaticamente desfazer a aplicação das patches no hook --after-build se ele as aplicou durante --before-build (--unapply-patches desde dpkg 1.15.8, --no-unapply-patches desde dpkg 1.16.5). Essas opções permitem-lhe desactivar ou activar à força o processo de des-aplicação da patch. Essas opções são apenas permitidas em debian/source/local-options para que todos os pacotes fonte gerados tenham o mesmo comportamento por predefinição.
O processo falha se uma patch automática foi gerada (desde dpkg 1.15.8). Esta opção pode ser usada para assegurar que todas as alterações foram gravadas apropriadamente em patches quilt separadas antes da compilação do pacote fonte. Esta opção não é permitida em debian/source/options mas pode ser usada em debian/source/local-options.
O processo não falha se foi gerada uma patch automática, em vez disso, é imediatamente gravado nas séries quilt.

Opções de Extracção

Salta a extração do tarball debian por cima da fonte do autor (desde dpkg 1.15.1).
Não aplica as patches no final da extracção (desde dpkg 1.14.18).

Formato: 3.0 (personalizado)

Suportado desde dpkg 1.14.17. Este formato é especial. Não representa o formato real do pacote fonte mas pode ser usado para criar pacotes fonte com ficheiros arbitrários.

Opções de compilação

Todos os argumentos não-opção são tomados como ficheiros para integrar no pacote fonte gerado. Estes têm de existir e estão preferencialmente no directório actual. Pelo menos um ficheiro tem de ser fornecido.

Requerido. Define o formato real do pacote fonte gerado. O ficheiro .dsc gerado irá conter este valor no seu campo Format e não “3.0 (custom)”.

Formato: 3.0 (git)

Suportado desde dpkg 1.14.17. Este formato é experimental.

Um pacote fonte neste formato consiste de um único bolo de repositório git .git para manter a fonte de um pacote. Também pode existir um ficheiro .gitshallow listando revisões para um clone git shallow.

Extracting

O bolo é clonado como um repositório git para o directório alvo. Se existir um ficheiro gitshallow, é instalado como .git/shallow dentro do repositório git clonado.

Note que por predefinição o novo repositório irá ter o mesmo ramo "checked out" como era "checked out" na fonte original. (Tipicamente “master”, mas pode ser qualquer coisa.) Quaisquer outros ramos irão estar disponíveis sob remotes/origin/.

Building

Antes de avançar-mos, são feitas algumas verificações para assegurar que não temos nenhumas alterações não ignoradas por submeter.

git-bundle(1) é usado para gerar um bolo do repositório git. Por predefinição, todos os ramos e etiquetas no repositório são incluídos no bolo.

Opções de compilação

Permite especificar um ref de git para incluir no bolo do git. O uso desactiva o comportamento predefinido de incluir todos os ramos e etiquetas. Pode ser especificado várias vezes. O ref pode ser o nome de um ramo ou etiqueta a incluir. Também pode ser qualquer parâmetro que possa ser passado ao git-rev-list(1). Por exemplo, para incluir apenas o ramo master, use --git-ref=master. Para incluir todos as etiquetas e ramos, excepto para o ramo privado, use --git-ref=--all --git-ref=^private
Cria um clone sombra com o histórico truncado ao número específico de revisões.

Formato: 3.0 (bzr)

Suportado desde dpkg 1.14.17. Este formato é experimental. Gera um único tarball que contem o repositório bzr.

Extracting

O tarball é desempacotado e depois é usado o bzr para fazer "checkout" ao ramo actual.

Building

Antes de avançar-mos, são feitas algumas verificações para assegurar que não temos nenhumas alterações não ignoradas por submeter.

Depois a parte específica de VCS do directório fonte é copiada para um directório temporário. Antes deste directório temporário ser empacotado num tarball, são feitas várias limpezas para libertar espaço.

DIAGNÓSTICO

nenhum formato fonte especificado em debian/source/format

O ficheiro debian/source/format deve sempre existir e indicar o formato de fonte desejado. Para compatibilidade com software anterior, o formato “1.0” é assumido quando o ficheiro não existe mas você não deve confiar nisto: algures no futuro, dpkg-source será modificado para falhar quando esse ficheiro não existe.

A lógica é que o formato “1.0”não é mais o formato recomendado, você deve geralmente escolher um dos formatos mais recentes (“3.0 (quilt)”, “3.0 (native)”) mas o dpkg-source não vai fazer isto automaticamente por si. Se você deseja continuar a usar o formato antigo, você deve ser explícito acerca disso a colocar "1.0” em debian/source/format.

o diff modifica os seguintes ficheiros do autor

Quando se usar o formato de fonte “1.0” é geralmente uma má ideia modificar ficheiros do autor directamente pois as alterações acabam escondidas e maioritariamente não documentadas no ficheiro .diff.gz. Em vez disso você deve guardar as suas alterações em patches no directório debian e aplica-las durante a compilação. Para evitar esta complexidade você pode também usar o formato "3.0 (quilt)” que oferece isto nativamente.

não pode representar alteração no ficheiro

As alterações às fontes originais são geralmente guardadas com ficheiros patch, mas nem todas as alterações podem ser representadas com patches: elas apenas podem alterar o conteúdo de ficheiros de texto simples. Se você tentar substituir um ficheiro por algo de diferente tipo (por exemplo, substituir um ficheiro simples por um link simbólico ou directório), você vai receber esta mensagem de erro.

o ficheiro ficheiro vazio acabado de criar não será representado no diff.

Ficheiros vazios não podem ser criados com ficheiros patch. Assim esta alteração não é gravada no pacote fonte e você é avisado acerca disso.

perms de modo executável do ficheiro não serão representados no diff

Os ficheiros patch não gravam permissões dos ficheiro e assim as permissões de executável não são guardadas no pacote fonte. Este aviso lembra-o desse facto.

perms de modo especial do ficheiro não serão representados no diff

Os ficheiros patch não gravam permissões dos ficheiro e assim as permissões modificadas não são guardadas no pacote fonte. Este aviso lembra-o desse facto.

AMBIENTE

Define o modo de cor (desde dpkg 1.18.5). Os valores actualmente aceites são: auto (predefinido), always e never.
Se definida, será usada para decidir se deve activar o Suporte a Linguagem Nativa. Também como conhecido como suporte de internacionalização (ou i18n) (desde dpkg 1.19.0). Os valores aceites são 0 e 1 (predefinição).
Se definido, será usado como marca temporal (em segundos desde a época) para engatar o mtime nas entradas do ficheiro tar(5).
Usado pelos módulos de formato de fonte “2.0” e “3.0 (quilt)”.
Usado pelos módulos de formato de fonte “3.0 (git)”.

FICHEIROS

debian/source/format

Este ficheiro contém numa linha única o formato que deve ser usado para compilar o pacote fonte (os formatos possíveis estão descritos acima). Não são permitidos espaços a anteceder ou a preceder.

debian/source/include-binaries

Este ficheiro contém uma lista nomes de caminhos de ficheiros binários (um por cada linha) relativos ao directório raiz da fonte que devem ser incluídos no tarball de debian. Os espaços que antecedem e precedem são removidos. As linhas que começam com ‘#’ são comentários e são saltadas. Linhas vazias são ignoradas.

debian/source/options

Este ficheiro contem uma lista de opções longas que devem ser automaticamente anexadas ao conjunto de opções de linha de comandos de uma chamada dpkg-source --build ou dpkg-source --print-format. Opções como --compression e --compression-level são bem apropriadas para este ficheiro.

Cada opção deve ser posta numa linha separada. AS linhas vazias e linhas começadas com ‘#’ são ignoradas. O ‘--’ inicial deve ser cortado e as opções curtas não são permitidas. São permitidos espaços opcionais a contornar o símbolo '=’ e são permitidas citações opcionais a envolver o valor. Aqui está um exemplo de tal ficheiro:

 # let dpkg-source create a debian.tar.bz2 with maximal compression
 compression = "bzip2"
 compression-level = 9
 # use debian/patches/debian-changes as automatic patch
 single-debian-patch
 # ignore changes on config.{sub,guess}
 extend-diff-ignore = "(^|/)(config.sub|config.guess)$"

Nota: As opções format não são aceites neste ficheiro, em vez disso você deve usar debian/source/format.

debian/source/local-options

Exactamente como debian/source/options excepto que o ficheiro não é incluído no pacote fonte gerado. Pode ser útil para guardar uma preferência amarrada ao maintainer ou ao repositório VCS onde o pacote fonte é mantido.

debian/source/local-patch-header

debian/source/patch-header

Texto de formato livre que é colocado no topo da patch automática gerada em formatos “2.0” ou “3.0 (quilt)”. local-patch-header não é incluído no pacote fonte gerado enquanto patch-header o é.

debian/patches/vendor.series

debian/patches/series

Este ficheiro lista todas as patches que têm de ser aplicadas (na ordem dada) no topo do pacote fonte do autor original. Os espaços iniciais e finais são retirados. O vendor será o nome em minúsculas do fornecedor actual, ou debian se não existir um fornecedor definido. Se o ficheiro series especifico-do-fornecedor não existir, será usado o ficheiro series sem-fornecedor. As linha começadas com ‘#’ são comentários e são retiradas. Linhas vazias são ignoradas. As linhas restantes começam com um nome de ficheiro patch (relativo ao directório debian/patches/) até ap primeiro caractere de espaço ou ao fim da linha. Opções quilt opcionais podem seguir até ao fim da linha ou ao primeiro ‘#’ precedido por um ou mais espaços (o que marca o começo de um comentário até ao fim da linha).

BUGS

O ponto no qual cada sobreposição de campo ocorre comparado com certas definições de campos de saídas standard é bastante confuso.

VEJA TAMBÉM

deb-src-control(5), deb-changelog(5), dsc(5).

TRADUÇÃO

Américo Monteiro

Se encontrar algum erro na tradução deste documento, por favor comunique para Américo Monteiro <a_monteiro@gmx.com>.

2021-04-13 1.20.9