Scroll to navigation

debhelper(7) Debhelper debhelper(7)

NOME

debhelper - a suite de ferramentas debhelper

RESUMO

dh_* [-v] [-a] [-i] [--no-act] [-ppackage] [-Npackage] [-Ptmpdir]

DESCRIÇÃO

Debhelper é usado para ajudá-lo a compilar um pacote Debian. A filosofia por detrás de debhelper é disponibilizar uma colecção de ferramentas pequenas, simples e de fácil compreensão que são usadas em debian/rules para automatizar vários aspectos comuns da compilação de um pacote. Isto significa menos trabalho para si, o empacotador. Também significa, até certo ponto, que estas ferramentas podem ser alteradas se a política de Debian alterar, e os pacotes que as usam irão precisar apenas de uma recompilação para ficarem em conformidade com a nova política.

Um ficheiro debian/rules típico que usa debhelper irá chamar vários comandos debhelper em sequência, ou usar dh(1) para automatizar este processo. Em /usr/share/doc/debhelper/examples/ estão exemplos de ficheiros de regras que usam debhelper.

Para criar um novo pacote Debian usando o debhelper, você pode copiar um dos ficheiros de regras exemplo e editá-lo à mão. Ou pode tentar o pacote dh-make, o qual contém um comando dh_make que automatiza parcialmente o processo Para uma introdução mais gentil, o pacote Debian maint-guide contém um tutorial acerca de como fazer o seu primeiro pacote usando o debhelper.

Excepto onde a ferramenta explicitamente denota, caso contrário, todas as ferramentas do debhelper assumem que são corridas a partir do directório raiz de um pacote fonte descompactado. Isto é feito para que possam localizar e encontrar ficheiros como debian/control quando necessário.

COMANDOS DO DEBHELPER

Aqui está a lista dos comandos debhelper que você pode usar. Veja os seus manuais para documentação adicional.

#LISTA#

Comandos Descontinuados

Alguns comandos debhelper estão descontinuados e não devem ser usados.

#LISTA_DE_DESCONTINUADOS#

Outros comandos

Se o nome dum programa começa com dh_, e o programa não está nas listas em cima, então não faz parte do pacote debhelper, mas mesmo assim deverá funcionar como os outros programas descritos nesta página.

FICHEIROS DE CONFIGURAÇÃO DO DEBHELPER

Muitos comandos do debhelper usam ficheiros em debian/ para controlar o que fazem. Para além dos comuns debian/changelog e debian/control, que estão em todos os pacotes, e não apenas aqueles que usam debhelper, alguns ficheiros adicionais podem ser usados para configurar o comportamento de comandos debhelper específicos. Estes ficheiros são chamados tipicamente debian/pacote.foo (onde pacote é claro, é substituído pelo nome do pacote no qual se está a actuar).

Por exemplo, dh_installdocs usa ficheiros chamados debian/package.docs para listar os ficheiros de documentação que ira instalar. Veja os manuais individuais dos comandos para detalhes acerca dos nomes e formatos dos ficheiros que usam. Geralmente, estes ficheiros irão listar ficheiros onde se vai actuar, um ficheiro por linha. Alguns programas no debhelper usam pares de ficheiros e destinos ou formatos ligeiramente mais complicados.

Nota para o primeiro (ou único) pacote binário listado em debian/control, o debhelper irá usar debian/foo quando não existe nenhum ficheiro debian/package.foo. No entanto, é geralmente uma boa ideia manter o prefixo package. pois é mais explícito. A principal excepção a isto são ficheiro que o debhelper instala por predefinição em todos os pacotes binários quando não tem um prefixo de pacote (tal como debian/copyright ou debian/changelog).

Em alguns casos raros, você pode querer ter versões diferentes destes ficheiros para arquitecturas ou sistemas operativos diferentes. Se existirem ficheiros chamados debian/pacote.foo.ARCH ou debian/pacote.foo.OS, onde ARCH e OS são o mesmo que o resultado de "dpkg-architecture -qDEB_HOST_ARCH" / "dpkg-architecture -qDEB_HOST_ARCH_OS", então eles irão ser usados em preferência de outros ficheiros mais gerais.

Maioritariamente, estes ficheiros de configuração são usados para especificar listas de vários tipos de ficheiros. Documentação ou ficheiros exemplo para instalar, ficheiros para mover, e etc. Quando apropriado, em casos como estes, você pode usar caracteres "wildcard" de shell standard (classes de caracteres ? e * e [..]) nos ficheiros. Também pode meter comentários neste ficheiros; as linhas começadas com # são ignoradas.

A sintaxe destes ficheiros é mantida intencionalmente muito simples para os tornar fáceis de ler, compreender e modificar.

Substituições em ficheiros de configuração do debhelper

Em nível de compatibilidade 13 e posterior, é possível usar substituições simples em ficheiros de configuração do debhelper para as seguintes ferramentas:

  • dh_clean
  • dh_install
  • dh_installcatalogs
  • dh_installdeb
  • dh_installdirs
  • dh_installdocs
  • dh_installexamples
  • dh_installinfo
  • dh_installman
  • dh_installwm
  • dh_link
  • dh_missing
  • dh_ucf

Todas as variáveis de substituição são do formato ${foo} e as chavetas são obrigatórias. Os nomes das variáveis são sensíveis a maiúscula/minúscula e consistem de alfanuméricos (a-zA-Z0-9), hífens (-), underscores (_), and dois pontos (:). O primeiro caractere tem de ser alfanumérico.

Se precisar de um sinal literal de dollar que não despolete uma substituição, você pode ou usar a substituição de ${Dollar} ou a sequência ${}.

As seguintes expansões estão disponíveis:

Expande para o valor dpkg-architecture(1) relevante (semelhante a dpkg-architecture -qVARIABLE_HERE).

Em caso de dúvida, a variante DEB_HOST_* é aquela que irá trabalhar para ambas compilações nativas e cruzadas.

Por razões de performance, o debhelper irá tentar resolver esses nomes primeiro a partir do ambiente antes de consultar dpkg-architecture(1). Isto é muito mencionado para plenitude pois não irá ter importância na maioria dos casos.

Expande para um símbolo literal único $-symbol. Este símbolo nunca irá ser considerado parte de uma variável de substituição. Isso é:

   # Triggers an error
   ${NO_SUCH_TOKEN}
   # Expands to the literal value "${NO_SUCH_TOKEN}"
   ${Dollar}{NO_SUCH_TOKEN}
    

Esta variável é equivalente à sequência ${} e as duas podem ser usadas alternadamente.

Expande para uma nova linha ASCII única, espaço e tab respetivamente.

Isto pode ser útil se precisar de incluir um caractere literal de "espaço em branco" (ex. espaço) onde caso contrário ele iria ser descartado ou usado como um separador.

Expande para a variável de ambiente NAME. A variável de ambiente tem de estar definida (mas pode estar definida para uma string vazia).

Note que todas as variáveis têm de expandir para um valor definido. Como exemplo, se o debhelper vir ${env:FOO}, então ele irá insistir que a variável de ambiente FOO está definida (pode estar definida para uma string vazia).

Limites de substituição

Para evitar ciclos infinitos e exaustão de recursos, o debhelper irá parar com um erro se o texto conter muitas variáveis de substituição (50) ou se elas expandirem para lá de um determinado tamanho (4096 caracteres ou 3x o comprimento da entrada original - qual deles for maior).

Ficheiros de configuração do debhelper executáveis.

Se precisar de flexibilidade adicional, muitas das ferramentas debhelper (ex, dh_install(1)) suportam executar um ficheiro de configuração como um script.

Para usar esta funcionalidade, simplesmente marque o ficheiro de configuração como executável (ex. chmod +x debian/package.install) e a ferramenta irá tentar executá-lo e usar o resultado do script. Em muitos casos, você pode usar dh-exec(1) como interpretador do ficheiro de configuração para reter a maioria da sintaxe original enquanto obtém a flexibilidade adicional que precisa.

Quando usar ficheiros de configuração executáveis do debhelper, por favor tenha em atenção o seguinte:

  • O ficheiro de configuração executável must termina com sucesso (isto é, o seu código de retorne deve indicar sucesso).
  • Em nível de compatibilidade 13+, o resultado será sujeito a substituições (veja "Substituições em ficheiros de configuração do debhelper") onde a ferramenta suportar estes. Lembre-se disto se o seu gerador também disponibilizar substituições pois isto pode causar confusão desnecessária.

    Caso contrário, o resultado de saída irá ser usado exatamente como está. De notar que o debhelper não irá expandir wildcards, nem retirar comentários ou espaços em branco ao resultado de saída.

Se precisar que o pacote compile num sistema de ficheiros onde não pode desactivar o bit de executável, então você pode usar dh-exec(1) o o seu script strip-output.

OPÇÕES DO DEBHELPER PARTILHADAS

As seguintes opções de linha de comandos são suportadas por todos os programas do debhelper.

Modo detalhado: mostra todos os comandos que modificam o directório de compilação de pacotes.
Não faz nada na realidade. Se usado com -v, o resultado é que o comando mostra o que iria fazer.
Actua em pacotes dependentes da arquitectura que devem ser compilados para a arquitectura de compilação DEB_HOST_ARCH.
Actua em todos os pacotes independentes da arquitectura.
Actua no pacote chamado pacote. Esta opção pode ser especifica várias vezes para fazer o debhelper operar num determinado conjunto de pacotes.
Alias descontinuado de -a.

Esta opção foi removida no nível de compatibilidade 12.

Não actua no pacote especificado mesmo se uma opção -a, -i, ou -p listarem o pacote como um em que se deverá actuar.
Não actua nos pacotes que já foram actuados antes por este comando do debhelper (isto é, se o comando estiver presente no debhelper log do pacote). Por exemplo, se você precisar de chamar o comando com opções especiais apenas para um par de pacotes binários, passe esta opção para a última chamada do comando para processar o resto dos pacotes com as definições predefinidas.
Usa tmpdir para directório de compilação de pacotes. A predefinição é debian/pacote
Esta opção pouco usada muda o pacote que o debhelper considera o "pacote principal", isto é, o primeiro listado em debian/control, e aquele para o qual os ficheiros debian/foo podem ser usados em vez dos ficheiros debian/package.foo usuais.
Isto é usado pelo dh(1) quando se passa opções específicas do utilizador a todos os comandos que corre. Se o comando suportar a opção ou opções especificadas, irá fazer efeito. Se o comando não suportar a opção (ou alguma parte do conjunto de opções), será ignorado.

OPÇÕES COMUNS DO DEBHELPER

As seguintes opções de linha de comandos são suportadas por alguns programas do debhelper. Veja o manual de cada programa para uma explicação completa sobre o que cada opção faz.

Não modifique os scripts postinst, postrm, etc.
Exclui um item do processamento. Esta opção pode ser usada várias vezes, para excluir mais do que uma coisa. O item é tipicamente parte de um nome de ficheiro, e qualquer ficheiro que contenha o texto especificado será excluído.
Faz com que ficheiros ou outros itens que são especificados na linha de comandos tenham efeito em TODOS os pacotes em que se actua, e não apenas o primeiro.

OPÇÕES DO SISTEMA DE COMPILAÇÃO

As seguintes opções de linha de comandos são suportadas por todos os comandos dh_auto_* do debhelper. Estes programas suportam uma variedade de sistemas de compilação, e normalmente determinam heuristicamente qual usar, e como os usar. Você pode usar estes opções de linha de comandos para sobrepor o comportamento predefinido. Tipicamente estas são passadas ao dh(1), o qual passa-as a todos os programas dh_auto_*.

Força a utilização do |<buildsystem> especificado, em vez de tentar auto-seleccionar um que pode ser aplicável para o pacote.

Passa none como buildsystem para desactivar a auto-selecção.

Assume que a árvore fonte do pacote original está no directório especificado em vez de estar no directório de nível de topo da árvore de pacotes fonte de Debian.

Aviso: A variante --sourcedir corresponde a uma opção de nome semelhante em dh_install e dh_missing (etc.) por razões históricas. Apesar de terem nomes semelhantes, elas têm objectivos muito distintos e em alguns casos podem causar erros quando esta variante é passada ao dh (quando então passada para todas as ferramentas).

Activa a compilação da fonte e usa o directório especificado como o directório de compilação. Se o parâmetro directório for omitido, é escolhido o directório de compilação predefinido.

Se esta opção não for especificada, a compilação será feita por predefinição na fonte a menos que o sistema de compilação requeira ou prefira a compilação da árvore de fonte. Em tal caso, será usado o directório de compilação predefinido mesmo se --builddirectory não seja especificado.

Se o sistema de compilação preferir a compilação da árvore fonte mas ainda permitir a compilação da fonte, a última pode ser re-activada ao passar-lhe um caminho para um directório de compilação que é o mesmo que o caminho para o directório fonte.

Controla se devem ser usadas compilações paralelas se o sistema de compilação o suportar. O número de trabalhos paralelos é controlado pela variável de ambiente DEB_BUILD_OPTIONS ("Debian Policy, secção 4.9.1") durante a compilação. Também pode servir como um limite específico do sistema de compilação.

Se nenhuma destas opções for especificada, presentemente o debhelper usa por predefinição --parallel em modo compatibilidade 10 (ou posterior) e --no-parallel em caso contrário.

Como uma optimização, o dh irá tentar evitar passar estas opções aos sub-processos, se estas forem desnecessárias e as únicas opções a passar. De notar que isto acontece quando DEB_BUILD_OPTIONS não tem um parâmetro parallel (ou o seu valor é 1).

Esta opção implica --parallel e permite mais limitação ao número de trabalhos que podem ser usados numa compilação paralela. Se a compilação do pacote é conhecida por apenas funcionar em certos níveis de concorrência, você pode definir isto para o nível máximo que é sabido funcionar, ou que deseje suportar.

De notar que, definir o máximo para 1 é efectivamente o mesmo que usar --no-parallel.

Por predefinição, o dh(1) irá computar vários ambientes (ex. ao usar dpkg-buildflags(1)) e guarda-los em cache para evitar que todas as ferramentas dh_auto_* os recompute.

Quando se passa esta opção, a ferramenta dh_auto_* concreta irá ignorar a cache de dh(1) e re-despoletar uma recompilação destas variáveis. Isto é útil nos casos muito raros onde o pacote precisa de fazer múltiplas compilações mas com diferentes opções ...FLAGS. Um exemplo concreto seria precisar de alterar o parâmetro -O em CFLAGS na segunda compilação:

    export DEB_CFLAGS_MAINT_APPEND=-O3
    %:
        dh $@
    override_dh_auto_configure:
        dh_auto_configure -Bbuild-deb ...
        DEB_CFLAGS_MAINT_APPEND=-Os dh_auto_configure \
           --reload-all-buildenv-variables -Bbuild-udeb ...
    

Sem --reload-all-buildenv-variables na segunda chamada ao dh_auto_configure(1), a alteração em DEB_CFLAGS_MAINT_APPEND seria ignorada pois dh_auto_configure(1) iria usar o valor em cache de <CFLAGS> definido por dh(1).

Esta opção está apenas disponível com debhelper (>= 12.7~) quando o pacote usar nível de compatibilidade 9 ou posterior.

Lista todos os sistemas de compilação suportados pelo debhelper neste sistema. A lista inclui ambos sistemas de compilação predefinidos e de terceiros (marcados como tal). Também mostra qual o sistema de compilação será seleccionado automaticamente, ou qual está especificado manualmente com a opção --buildsystem.

NÍVEIS DE COMPATIBILIDADE

De tempos a tempos, precisam de ser feitas grandes alterações no debhelper que não compatíveis com as versões anteriores, para o manter limpo e bem construído quando as necessidades alteram e o seu autor ganha mais experiência. Para prevenir que tais grandes alterações danifiquem os pacotes existentes, foi introduzido o conceito de níveis de compatibilidade no debhelper. Você deve dizer ao debhelper qual o nível de compatibilidade que ele deve usar, e ele modifica o seu comportamento de várias maneiras.

No debhelper actual, você pode especificar o nível de compatibilidade em debian/control ao adicionar um Build-Depends no pacote debhelper-compat. Por exemplo, para usar modo v13, assegure que debian/control tem:

  Build-Depends: debhelper-compat (= 13)

Isto também serve como uma dependência de compilação de versão apropriada numa versão suficiente do pacote debhelper, assim você não precisa de especificar uma dependência de compilação de versão separada no pacote debhelper a menos que precise de um lançamento pontual específico do debhelper (tal como para a introdução de uma nova funcionalidade ou correcção de bug dentro de um nível de compatibilidade).

Note that debhelper does not provide debhelper-compat for experimental or beta compatibility levels; packages experimenting with those compatibility levels should use debian/compat (or, if only for selected commands, DH_COMPAT).

Prior versions of debhelper required specifying the compatibility level in the file debian/compat, and current debhelper still supports this for backward compatibility. To use this method, the debian/compat file should contain the compatibility level as a single number, and no other content. If you specify the compatibility level by this method, your package will also need a versioned build dependency on a version of the debhelper package equal to (or greater than) the compatibility level your package uses. So, if you specify compatibility level 13 in debian/compat, ensure debian/control has:

  Build-Depends: debhelper (>= 13~)

Note that you must use either the build-dependency on debhelper-compat or the debian/compat file. Whenever possible, the debhelper-compat build-dependency is recommended.

If needed be, the DH_COMPAT environment variable can be used to override the compat level for a given command. The feature is mostly useful for either temporarily upgrading a few commands to a new compat level or keeping a few commands on a lower compat level. The feature is best used sparingly as it effectively introduces special-cases into the debian/rules file that may be surprising to maintainers or reviewers (or, in the long term, to yourself).

A menos que seja indicado o contrário, toda a documentação do debhelper assume que você está a usar o nível de compatibilidade mais recente, e na maioria dos casos não indica se o comportamento é diferente num nível de compatibilidade anterior, portanto se não está a usar o nível de compatibilidade mais recente, você é aconselhado a procurar em baixo por notas acerca do que é diferente nos níveis de compatibilidade anteriores.

Níveis de compatibilidade suportados

The list of supported compatibility levels and the related upgrade check list has moved to debhelper-compat-list(7).

NOTAS

Suporte a pacotes de múltiplos binários

Se o seu pacote fonte gerar mais do que um pacote binário, os programas do debhelper, por predefinição, irão actuar em todos os pacotes binários quando correm. No caso do seu pacote fonte gerar um pacote dependente de arquitectura, e outro pacote independente da arquitectura, este não é o comportamento correcto, porque você precisa de gerar os pacotes dependentes de arquitectura no alvo debian/rules binary-arch, e os pacotes independentes de arquitectura no alvo debian/rules binary-indep.

Para facilitar isto, e também para lhe dar mais controle sobre em quais pacotes os programas debhelper actuam, todos os programas debhelper aceitam os parâmetros -a, -i, -p, e -s. Estes parâmetros são cumulativos. Se nenhum for usado, os programas debhelper por predefinição actuam em todos os pacotes listados no ficheiro de controle, com as excepções em baixo.

Primeiro, qualquer pacote cujo campo Architecture em debian/control não corresponda à arquitectura DEB_HOST_ARCH será excluído ("Debian Policy, secção 5.6.8").

Também, alguns pacotes adicionais podem ser excluídos com base no conteúdo da variável de ambiente DEB_BUILD_PROFILES e nos campos Build-Profiles nas estrofes de pacotes binários em debian/control, de acordo com a política proposta em <https://wiki.debian.org/BuildProfileSpec>.

Interacção entre selecções de pacotes e Build-Profiles

Build-Profiles afectam quais pacotes são incluídos nos mecanismos de selecção de pacotes do debhelper. Geralmente, as selecções de pacotes são descritas a partir do pressuposto que todos os pacotes estão activados. Esta secção descreve como as selecções reagem quando um pacote é desactivado devido a Build-Profiles activos (ou a falta de Build-Profiles activos).

O pacote desactivado por Build-Profiles é excluído em silêncio da selecção.

Note que vai receber um aviso se todos os pacotes relacionados com estas selecções estiverem desactivados. Nesse caso, geralmente não faz nenhum sentido sequer fazer a compilação.

A opção é aceite e efectivamente não faz nada.
A opção é aceite, mas o debhelper não irá actuar no pacote.

Note que não importa se um pacote está activado ou desactivado por predefinição.

Geração automática de scripts de instalação Debian

Alguns comandos do debhelper irão gerar automaticamente partes de scripts de maintainer Debian. Se desejar que estas coisas geradas automaticamente sejam incluídas nos sues scripts de maintainer Debian existentes, então você precisa adicionar #DEBHELPER# aos seus scripts, no local onde o código deverá ser adicionado. #DEBHELPER# será substituído por qualquer código auto-gerado quando você correr o dh_installdeb.

Se não existir nenhum script e o debhelper precisar de adicionar algo a ele, então o debhelper irá criar o script completo.

Todos os comandos debhelper que geram código automaticamente deste modo permitem que o seja desactivado pelo parâmetro -n (ver em cima).

Note que o código inserido será código shell, portanto você não pode usá-lo directamente num script de Perl. Se desejar embebê-lo num script Perl, aqui está um modo de o fazer (note que Eu certifico-me que $1, $2, etc são definidos com o comando "set"):

  my $temp="set -e\nset -- @ARGV\n" . << 'EOF';
  #DEBHELPER#
  EOF
  if (system($temp)) {
     my $exit_code = ($? >> 8) & 0xff;
     my $signal = $? & 0x7f;
     if ($exit_code) {
         die("The debhelper script failed with error code: ${exit_code}");
     } else {
         die("The debhelper script was killed by signal: ${signal}");
     }
  }

Geração automática de dependências variadas.

Alguns programas debhelper podem fazer com que o pacote gerado precise de depender de alguns outros pacotes. Por exemplo, se você usar o dh_installdebconf(1), o seu pacote irá geralmente depender do debconf. Ou se você usar dh_installxfonts(1), o seu pacote irá geralmente depender de uma versão particular do xutils. Acompanhar estas dependências variadas pode ser aborrecido pois elas dependem de como o debhelper faz as coisas, então o debhelper oferece um modo de automatizar isto.

Todos os comandos deste tipo, além de documentar quais dependências podem ser necessárias nos seus manuais, irão gerar automaticamente um substvar chamado ${misc:Depends}. Se você colocar esse token no seu ficheiro debian/control, será expandido às dependências que o debhelper descobre que você precisa.

Isto é inteiramente independente do standard ${shlibs:Depends} gerado pelo dh_makeshlibs(1), e do ${perl:Depends} gerado pelo dh_perl(1). Você pode escolher usar qualquer um destes, se as escolhas do debhelper não corresponderem à realidade.

Directórios de compilação de pacotes

Por predefinição, todos os programas do debhelper assumem que o directório temporário usado para montar a árvore de ficheiros num pacote é debian/pacote.

Por vezes, você pode querer usar outro directório temporário. Isto é suportado pela bandeira -P, por exemplo, "dh_installdocs -Pdebian/tmp", irá usar debian/tmp como directório temporário. Note que se você usar -P, os programas debhelper só podem actuar num pacote de cada vez. Por isso se tem um pacote que compila muitos pacotes binários, irá também precisar de usar a bandeira -p para especificar em qual pacote binário o programa debhelper irá actuar.

udebs

Debhelper inclui suporte para udebs. Para criar um udeb com o debhelper, adicione "Package-Type: udeb" à estrofe do pacote em debian/control. O Debhelper irá tentar criar udebs em conformidade com a política do instalador debian, ao finalizar os ficheiros de pacotes gerados com .udeb, não instalando nenhuma documentação num udeb, saltando os scripts preinst, postrm, prerm, e config, etc.

AMBIENTE

Esta secção descreve algumas das variáveis de ambiente que influenciam o comportamento do debhelper ou de quem o debhelper interage.

É importante notar que estas que estas têm de ser mesmo variáveis de ambiente de modo a afectarem o comportamento do debhelper (e não simplesmente variáveis do Makefile). Para as especificar correctamente em debian/rules, assegure-se de lhes fazer "export". Por exemplo, "export DH_VERBOSE"

Defina para 1 para activar o modo detalhado. O debhelper irá mostrar os resultados de cada comando que corre. Também activa relatórios de compilação detalhados para alguns sistemas de compilação como o autoconf.
Definir para 1 para activar o modo silencioso. O Debhelper não irá escrever os comandos a chamar o sistema de compilação do autor nem o dh irá escrever quais sub-comandos são chamados e dependendo do sistema de compilação do autor, poderá também tornar isso mais silencioso. Isto facilita a identificação de mensagens importantes mas torna os resultados inúteis como relatório do buildd. É ignorado se DH_VERBOSE for também definido.
Especifica temporariamente em que nível de compatibilidade o debhelper deve correr, sobrepondo qualquer valor especificado via Build-Depend em debhelper-compat ou via ficheiro debian/compat.
Defina para 1 para activar o modo no-act.
Todas as ferramentas debhelper irão processar os argumentos de linha de comandos listados nesta variável antes de qualquer opção de comando (como se eles fossem anexados aos argumentos de linha de comandos). Infelizmente, algumas ferramentas disponibilizadas por terceiros podem não suportar esta variável e irão ignorar estes argumentos de linha de comandos.

Quando se usa dh(1), podem-se passar opções que irão ser passadas a cada comando do debhelper, o que é geralmente melhor do que usar DH_OPTIONS.

Se definido, isto adiciona o valor que está definido na variável às opções -X de todos os comandos que suportam a opção -X. Ainda mais, o dh_builddeb irá fazer rm -rf a tudo o que corresponda a esse valor na sua árvore de compilação do pacote.

Isto pode ser útil se você está a fazer uma compilação a partir de uma árvore fonte CVS, que no caso definindo DH_ALWAYS_EXCLUDE=CVS irá prevenir que quaisquer directórios CVS se esgueirem para o pacote que está a compilar. Ou, se um pacote tem um tarball de fonte que (não inteligentemente) inclui directórios CVS, você pode querer exportar DH_ALWAYS_EXCLUDE=CVS em debian/rules, para o fazer ter efeito onde o seu é compilado.

Várias coisas a excluir podem ser separadas com "dois pontos", como em DH_ALWAYS_EXCLUDE=CVS:.svn

Se definido, isto adiciona os addons especificados do dh para serem corridos nos lugares apropriados na sequência de comandos. Isto é equivalente a especificar o addon a correr coma bandeira --with no ficheiro debian/rules file. Qualquer chamada --without que especifique um addon nesta variável de ambiente não será executada.

Isto destina-se a ser usado por downstreams ou configurações locais especificas que requeiram a execução dum addon do debhelper durante múltiplas compilações sem terem que aplica patch a um grande número de ficheiros de regras. Se de todo possível, isto deve ser evitado em favor de uma bandeira --with no ficheiro rules.

Estas variáveis podem ser usadas para controlar se os comandos do debhelper devem usar cores nos resultados textuais. Podem ser definidas para "always", "auto" (a predefinição), ou "never".

Note que DPKG_COLOR também afecta um número de ferramentas relacionadas ao dpkg e o debhelper usa-o na suposição que você quer a mesma definição de cor para o dpkg e debhelper. Na hipótese de você querer definição de cor diferente para o debhelper, pode usar DH_COLORS em vez disso ou em adição a DPKG_COLORS.

Se não for fornecido um pedido específico para cor (ex. DH_COLORS e DPKG_COLORS estão ambos não-definidos), a presença desta variável de ambiente faz com que a definição de cor predefinida seja "never".

A variável é definida de acordo com <https://no-color.org/>. Neste projecto, as variáveis de ambiente (tais como DH_COLORS) são consideradas um requisito explícito para cor.

Por predefinição (em qualquer nível de compatibilidade não-abandonado). o debhelper irá automaticamente definir estas flags ao usar dpkg-buildflags(1), quando não estiverem definidas. Se você precisar de modificar as flags predefinidas, por favor use as funcionalidades de dpkg-buildflags(1) para o fazer (ex. DEB_BUILD_MAINT_OPTIONS=hardening=all ou DEB_CPPFLAGS_MAINT_APPEND=-DCUSTOM_MACRO=true) em vez de definir a variável concreta directamente.
Em compatibilidade 13 e posterior, estas variáveis de ambiente são reiniciadas antes de invocar o sistema de compilação do autor via ajudantes do dh_auto_*. As variáveis HOME (todos os ajudantes dh_auto_*) e XDG_RUNTIME_DIR (apenas dh_auto_test) irão ser definidas para um directório gravável. Todas as restantes variáveis e XDG_RUNTIME_DIR (excepto para durante dh_auto_test) irão ser limpas.

O directório HOME será criado como um directório vazio mas ele será reutilizado entre chamadas a dh_auto_*. Qualquer conteúdo irá persistir até ser explicitamente apagado ou dh_clean.

Por favor veja "Bandeiras suportadas em DEB_BUILD_OPTIONS" para esta variável de ambiente.

Por favor note que esta variável não deve ser alterada por maintainers de pacote dentro de debian/rules para mudar o comportamento do debhelper. Em vez disso, onde o maintainer do pacote precisar destas funcionalidades, eles devem procurar desactivar a funcionalidade relevante directamente (ex. ao sobrepor as ferramentas concretas).

Esta é uma variável de ambiente especifica do dpkg (veja por ex. dpkg-buildflags(1)). A suite de ferramentas do debhelper ignora-a em silêncio.

Está documentada aqui porque tem um nome semelhante a DEB_BUILD_OPTIONS, o que faz com que algumas pessoas assumam em erro que o debhelper também vai reagir a esta variável.

Bandeiras suportadas em DEB_BUILD_OPTIONS

A suite de ferramentas debhelper reage às seguintes bandeiras em DEB_BUILD_OPTIONS.

Este é um valor específico do debhelper.

Quando dherroron está presente e definida para obsolete-compat-levels, então as ferramentas debhelper irão promover para erros os avisos de descontinuidade de níveis de compatibilidade antigos e prestes a serem removidos.

Isto é útil para verificação automática de confiança de código em níveis de compatibilidade descontinuados que estão agendados para remoção.

Esta opção destina-se a objectivos de teste; não compilações produtivas.

Este valor irá mudar o conteúdo dos debs a serem compilados. Os pacotes .deb compilados quando isto está definido são por isto não reproduzíveis bit-a-bit com uma compilação regular nas generalidade dos casos.

Este valor irá fazer com que as ferramentas oficiais debhelper saltem acções e ajudantes que ou removem, desanexam ou duplicam símbolos em binários ELF.

Este valor afecta dh_dwz(1) e dh_strip(1).

Este valor irá fazer com que os sistemas de compilação oficiais debhelper saltem execuções de suites de testes do autor original.

Os maintainers de pacotes que procurem evitar correr os testes do autor não devem confiar nisto. Em vez disto, eles podem adicionar um alvo de sobreposição vazio para saltar o dh_auto_test.

Este valor afecta dh_auto_test(1).

Este valor irá mudar o conteúdo dos debs a serem compilados. Os pacotes .deb compilados quando isto está definido são por isto não reproduzíveis bit-a-bit com uma compilação regular nas generalidade dos casos.

Este valor irá fazer com que várias ferramentas debhelper saltem a instalação de documentação tal como os manuais ou documentação fornecida pelo autor original. Adicionalmente, as ferramentas irão também ignorar se a documentação declarada está "em falta" assumindo que a documentação não foi compilada.

Este valor afecta ferramentas do tipo dh_installdocs(1), que sabem que estão a trabalhar com documentação.

O nome oficial é autodbgsym. A variante noddebs é aceite por razões históricas.

Este valor faz com que o debhelper salte a geração de pacotes de símbolos de depuração gerados automaticamente.

Este valor afecta dh_strip(1).

Este valor habilita o debhelper a usar até N linhas de processos (sujeitos a parâmetros como --no-parallel e --max-parallel=M). Nem todas as ferramentas debhelper trabalham com tarefas paralelas e podem ignorar o pedido em silêncio.

Este valor afecta muitas ferramentas debhelper. Mais notoriamente dh_auto_*, a qual irá tentar correr o sistema de compilação subjacente do autor com esse número de linhas de execução.

Este valor irá fazer com que os sistemas de compilação oficiais debhelper configurem as compilações do autor para serem concisas (isto é, reduzir os detalhes dos seus resultados). Isto está sujeito a que os sistemas de compilação do autor e do debhelper suportem tais funcionalidades.

Este valor afecta a maioria das ferramentas dh_auto_*.

Bandeiras desconhecidas são ignoradas em silêncio.

Note que ferramentas de terceiros estilo-debhelper ou sistemas de compilação fornecidos por terceiros podem não reagir às bandeiras em cima. Isto tende a depender dos detalhes de implementação da ferramenta.

VEJA TAMBÉM

debhelper-compat-upgrade-checklist(7)
List of supported compat levels and an upgrade checklist for each of them.
/usr/share/doc/debhelper/examples/
Um conjunto de ficheiros debian/rules exemplo que usam debhelper.
<http://joeyh.name/code/debhelper/>
Sítio web do debhelper.

AUTOR

Joey Hess <joeyh@debian.org>

TRADUÇÃO

Américo Monteiro

Se encontrar algum erro na tradução deste documento, por favor comunique para Américo Monteiro a_monteiro@gmx.com ou Equipa Debian de Tradução Portuguesa traduz@debianpt.org.

2022-04-20 13.7.1